sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

{Desafio de Férias} Resenha Macunaíma

  Obra escrita em 1928 por Mário de Andrade, Macunaíma é fruto de seu tempo, faz parte das muitas obras resultantes do Movimento Modernista, 1922, e como tal, é significativa e enigmática. Prova disto são as muitas análises feitas sobre o herói sem caráter até os dias de hoje.
Julgava estar acostumada com os clássicos da literatura brasileira até me deparar com este livro, Machado de Assis, José de Alencar e cia são fichinha diante da complexidade alcançada por Andrade, especialmente quando se tem no livro uma análise que te faz superestimar o mesmo(e que ao final você tem que concordar, bem que te avisaram).
Numa pegada mais surrealista, Andrade traz elementos folclóricos para contar a história de Macunaíma, um nativo da tribo dos tapanhumas, que parte em viagem com os irmãos após a morte da mãe. Durante a viagem, o herói (que daqueles que conhecemos ele não tem nada) conhece uma mulher, Ci, da tribo das amazonas, faz dela sua mulher, torna-se imperador do Mato Virgem. Após terem um filho, o mesmo padece e o destino é leva Ci a se tornar uma estrela do céu, e de profunda tristeza Macunaíma se apega a sua última lembrança de Ci, uma muiraquitã (pedra verde em formato semelhante ao de um jacaré). As aventuras de fato começam quando Macunaíma perde a muiraquitã, e sai em viagem atrás de seu tesouro, indo parar em todo canto da América do Sul. O herói finalmente descobre o paradeiro de seu amuleto que agora pertence a Venceslau Pietro Pietra, que na verdade é um gigante comedor de gente.

 Sim, você ao se deparar com o livro deve saber de antemão que tem muita informação que você desconhece por fazer parte de uma tradição que não é ensinada nas escolas, porque é mais importante saber os 12 trabalhos de Hércules e coisas afins. Então você tem duas escolhas: ou pára a cada vocabulário que desconhece para pesquisar no pai-google, ou vai tentando entender pelo contexto. Eu optei pela segunda alternativa e do meio pro fim consegui entender o que estava acontecendo e por que a narrativa era do jeito que era. Não me arrependo. Verei o filme, e lerei o livro novamente.

Não vou dar mais detalhes da história (que pode ser conferido no link no início da postagem) nem quero estragar o final para ninguém. O que eu quero deixar claro é que é sim um livro interessante, que tem muitos aspectos a serem trabalhados, e que é de leitura difícil. É um livro pra ser apreciado calmamente, de preferência com lápis e papel a mão para anotações.