quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Hugo o vampiro - As luzes na Idade das Trevas, de Gabriel Burani

Hoje trago para vocês a resenha da primeira parceria com autor que o blog conseguiu, e que me deixou muito feliz, ainda mais depois dela ter sido aprovada pelo mesmo.
Segue a sinopse

Hugo o vampiro - As luzes na Idade das Trevas
Autoria: Gabriel Burani
Nº de páginas:
Preço: R$15,00 (direto com o autor)


Hugo o Vampiro - As Luzes na Idade das Trevas é o primeiro livro que narra a saga de Hugo Von Sclotstendder, um jovem príncipe que se vê destinado a viver nas trevas, dada sua nova condição de vida: a imortalidade de um vampiro. Em sua busca para controlar e conhecer sua privilegiada existência, Hugo se lança em uma surpreendente missão para encontrar cinco jóias místicas. O leitor é convidado a acompanhá-lo em suas aventuras, recheadas de combates armados, cercos a castelos, donzelas em perigo, jogos, feitiços e encantamentos na Europa na Idade das Trevas. Uma pitada de terror, humor, romance e drama, também marcam os primeiros passos do Príncipe-Vampiro Hugo.


Vampiro? Ruivo? Pura sedução!
Hugo Von Shclotstendder é um jovem nobre, que está aos poucos disputando o poder com seu pai, Hegon. O conhecemos enquanto ele está no comando de parte do exército de seu pai, ao todo são 500 homens e ao seu lado estão Trionic e Armando, vassalos de Beznã-Ateriza.
Para aqueles acostumados com vampiros mais românticos (leia-se os Cullen), não espere o mesmo de Hugo. Nas primeiras páginas somos testemunhas da violência da qual é capaz, afinal, Hugo ainda está aprendendo sobre sua condição.
Uma das características que me chamou atenção foi a ambientação e época escolhidas, gosto muito de histórias medievais! O sistema de vassalagem e suserania foi bem explorado pelo Gabriel Burani.
A deixa para que Hugo cresça como personagem dentro do livro é a morte de seu tio Rosco, que lhe deixa indiretamente uma jóia enigmática, um colar com um dragão que segura uma pedra azul (está na capa) que direciona aquele em sua jornada noturna. Desde que tomou posse desta jóia, Hugo se vê em situações em que a mesma lhe instrui, como uma espécie de mentor. Causou a mim certo estranhamento, aparentemente justificado pela relação familiar dele. Se imaginou uma família “amorosa” na qual o patriarca passaria seus conhecimentos ao primogênito, engana-se!
Talvez por ter uma força equiparável a de seu pai, o mesmo não permita aproximação, e todas as tentativas por parte de Hugo são frustradas. Em compensação, Eglatine, sua mãe, é uma espécie de porto seguro, apoiando-o e instruindo-o (acredito que ser vampira a ajudou a ser uma mulher culta).
O fascínio pela jóia o fez procurar pelas outras, ao todo são cinco. Sempre acompanhado por Bruno Beigon, seu servo mais próximo e amigo de confiança, Hugo se aventura, amadurece e alcança maior compreensão de sua condição – funcionou para mim como uma transição: conhecemos o rapaz Hugo em sua primeira experiência de guerra, e acabamos o livro com o “homem” Hugo, responsável e capaz de arcar com suas escolhas. Vale ressaltar que o transcorrer do tempo se dá de maneira sutil, através das mudanças das estações.
Outro ponto interessante é a aparição de magos, lobisomens e zumbis! O que ganhou muitos pontos comigo. E para os apreciadores de romance, vão se surpreender com Hemilia, a noiva prometida de Hugo, e a relação difícil entre eles. Como dizem por aí, acho que a história deles ainda dá um caldo rsrs.
Este primeiro livro da série de Hugo tem um tom bastante introdutório. Fiquei com algumas questões a respeito das tradições vampirescas existentes no mundo criado pelo Gabriel. Não sei se é mal de historiador, mas serviu para atiçar ainda mais a leitura dos próximos livros (que espero que tenha minhas respostas rs)
Alguns pontos negativos ficaram a cargo da REVISÃO!! Acho que é o problema mais recorrente das editoras daqui, em especial com os novos autores. Excessos de pontuação desnecessária e alguns trechos que ficariam melhores se reescritos fariam o livro ser ainda melhor! Apesar destes contratempos, Hugo, o vampiro é ótimo, confirmou a impressão deixada por Vianco de que brasileiros podem escrever bons livros sobre vampiros (e com violência e sangue, no estilo “vampiros de verdade”).

Recomendo a leitura, e aproveito para deixar o release do volume dois, Hugo, o vampiro – Reino de Sangue

Sinopse: Reino de Sangue é o segundo livro da saga que narra a história de Hugo von Sclotstendder agora como Rei Vampiro. Uma vez reunidas as cinco Joias místicas e com a morte do pai, Hugo sente o peso da coroa: responsabilidades, traições, conflitos religiosos, sangue e paixão tomam conta de sua corte. O inevitável acontece e mudará o destino de todos, inclusive do jovem rei. Tendo como pano de fundo a Europa da Idade Média, aventure-se com Hugo e descubra se ainda existem Luzes na Idade das Trevas.






E não deixe de visitar o blog oficial da saga de Hugo, e marcar o livro no skoob.